Related Posts with Thumbnails
RSS

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Fazendo Meu Filme 1


Paula Pimenta - Fazendo Meu Filme.
1 - A Estréia de Fani

Editora: Gutenberg.
Páginas: 328


Tudo muda na vida de Fani quando surge a oportunidade de fazer um intercâmbio e morar um ano em outro país. As reveladoras conversas por telefone ou MSN e os constantes bilhetinhos durante a aula passam a ter outro assunto: a viagem que se aproxima.
“Fazendo meu filme” nos apresenta o fascinante universo de uma menina cheia de expectativas, que vive a dúvida entre continuar sua rotina, com seus amigos, familiares, estudos e seu inesperado novo amor, ou se aventurar em um outro país e mergulhar num mundo cheio de novas possibilidades.

Comentários:

Para ser fiel ao livro em questão, começarei com um trecho de filme:

A vida não é quantas vezes você respirou, mas sim quantas vezes você ficou sem ar...
(Hitch - Conselheiro Amoroso)

Todas as vezes nas quais leio um bom livro fico sem ar. Sou daquelas leitoras que vivem a história, passam a ser íntimas das personagens, torcem, protegem, defendem... riem, choram, sentem falta... daquelas que, já pertinho do final, demoram a passar a página com um medo terrível do último ponto final, da hora dolorosa do adeus. É difícil terminar um livro, encerrar uma história, ver as personagens irem... ainda mais quando essa personagem parece com a menina que você foi, ou quer ser.

Assim foi com Fazendo Meu Filme (dou cinco estrelinhas, como diria a Fani!).

Vamos aos detalhes da história:

Estefânia Castelino Belluz (narradora-personagem), que prefere ser chamada de Fani, é uma garota BRASILEIRÍSSIMA de 16 anos. É apaixonada por filmes e tem uma coleção e tanto de DVDs em seu quarto. Seu sonho é ser cineasta.
Está no segundo ano e sente uma paixão platônica por seu professor de biologia, Marquinhos. Tem duas amigas, Gabi e Natália, e um amigo, Leo, com os quais compartilha (quase) todos seus sentimentos, esperanças e sonhos.
A mãe, preocupada com o seu futuro, decide inscrevê-la em um programa de intercâmbio. A partir daí, ela descobre que nem tudo é o que parece e que o seu verdadeiro amor está mais perto do que poderia imaginar. Será que haverá tempo de resolver todas essas questões antes de passar um ano fora?

Esclarecendo alguns pontos:

* A Paula Pimenta conseguiu escrever um livro verde e amarelo que nada deixa a dever aos estrangeiros. Alguns até apontam a forma de escrita e de envolvimento com os leitores como traços Cabotianos (Lá vai essa senhorita inventar palavras! Leia: semelhanças com a autora da famosa série O Diário da Princesa, Meg Cabot). Sinceramente, eu gosto muito da Meg, mas acho que aquele uso excessivo de gírias teens incomoda... Uma vez, quando acabei de ler um livro dessa autora, tive vontade de reler e contar quantas vezes ela usou a palavra “gato” para caracterizar um garoto. Então, devo dizer que cada uma tem o seu jeitinho de nos cativar;

* Adorei as frases de filmes que abrem cada capítulo... elas são lindas, muito bem escolhidas e norteiam as ações desses;

* A autora consegue tocar em todos os pontos chaves da adolescência. Das confusões internas, do crescimento, da beleza das descobertas, do querer se conhecer melhor, das amizades, das vilãs mirins, das ilusões amorosas, da timidez, das perdas, afastamentos, do primeiro amor, das responsabilidades, das distâncias, dos começos e recomeços. Há quem possa torcer o nariz por tratar-se de um romance juvenil, adolescente, mas quem deixar de lado certos preconceitos bobos poderá reencontrar um pedaço belo de sua história, guardada lá no fundo do baú de memórias. Com certeza, esse reencontro gerará lágrimas de saudade... (o que eu estou dizendo, meio sem querer dizer, é que chorei largado...);

* Se já não soubesse mais ou menos da história, certamente me renderia pelas capas. São lindas e espelham bem o conteúdo do livro;

* Eu amei essa história!!! A Fani poderia ser eu. Primeiro: adoro colecionar frases, sejam essas de filme ou livro. Anoto as que gosto em agendas, cadernos, na palma da mão, etc. Segundo: eu gosto de todos os filmes que foram citados pela Fani e, da lista de preferidos dela, tenho 10 DVDs na minha coleção. E vários já estavam anotados para futuras aquisições. Terceiro: quando empresto qualquer livro ou filme tenho vontade de “ligar todos os dias para perguntar como eles vão”. #Spoiler# Quarto: Também me apaixonei pelo meu melhor amigo! Quinto: Eu adoro a maioria das músicas que ela gravou para o Leo. Principalmente, Preciso Dizer Que Te Amo, que é a música tema do meu primeiro amor. Preciso acrescentar mais?

* As amigas de Fani, principalmente a Gabi, são ótimas. Acho que é fácil fazer amizades, mas mantê-las é complicado. A vida vai nos levando para outras estradas... e algumas pessoas que gostamos ficam para trás. É bom quando, mesmo estando longe, não perdemos o contato. Nada melhor que ter e ser um amigo para todas as horas;

* Gente... o Leo é muito fofo! O que eu faço para ganhar um amigo como ele? A cartinha dele merece entrar para a série As Melhores Declarações de Amor... Falei demais agora!

* A Paula Pimenta realmente não teve dó do meu cofrinho. Ele já era e o seu recheio foi todo empregado na compra do segundo livro, Fazendo Meu Filme 2 - Fani na Terra da Rainha! Já vi que precisarei comprar outro e colocar as moedas do lanche, pois virá o 3. Não estou reclamando, viu?!

* No site do livro (esse aqui
!!!) podemos encontrar os vídeos dos trechos de filmes que aparecem no livro, como também escutar as músicas trocadas entre a Fani e o Leo;

* Alguma chance de pousar em Natal ou Parnamirim - RN? Nada melhor que um autógrafo para deixar os seus livros ainda mais fofos...

Destaques românticos:

1. (...)
Eu ia começar a replicar, quando o Leo – que estava muito calado, só escutando a discussão (sobre o intercâmbio)perguntou: “Você sabe quanto custa uma ligação telefônica para lá?”.
Eu respondi pra ele que eu nem sabia para onde ia, nem se ia.
“Pois me avise assim que souber”, ele disse, todo sério. “Tenho que começar a fazer economia.”

2. (...)
Foi amizade à primeira vista.
A partir daí, não nos desgrudamos. Eu que não tinha nenhum amigo nesse novo colégio, de repente me vi com dois: Gabi e Leo. Os melhores amigos que alguém poderia escolher.
E foi por isso que me deu essa tristeza ao constatar o afastamento dele... tipo, o Leo é super popular, é amigo de todo mundo, se dá bem com todos os grupos, mas eu me sentia meio que preferida, quem ele escolhia para sentar junto, fazer os trabalhos, compartilhar o recreio, passar bilhetinhos... e agora estou me sentindo assim, um pouco... traída.
Engraçado pensar isso, traição de amigo. A gente não tem nenhum contrato, compromisso, não é sócio, casado, namorado... nada. Apenas amigos. Mas ainda assim eu estou me sentindo um pouco passada para trás, trocada...

3. (...) O que eu senti foi uma sensação pela qual eu nunca tinha passado na vida. Um tremor dos pés à cabeça, mas um tremor que me aquecia... e ao mesmo tempo aquele frio na barriga que não ia embora. Meu coração estava tão disparado que eu fiquei até preocupada do Leo escutar, porque nós estávamos praticamente colados. O corpo da gente parecia que tinha sido moldado um no outro e eu podia sentir o perfume dele misturado com o meu. Ele estava me abraçando tão apertado e eu resolvi passar a mão de leve no cabelo dele, ele começou a mexer seu rosto bem devagarzinho, nossas respirações estavam sincronizadas e aquele sentimento em mim foi ficando mais forte. Parecia que meus ossos estavam se deslocando da pele, que eu estava leve, que ia voar.

4. “Quantas estrelinhas você dá pra esse filme (que o Leo fez para a festa de despedida da Fani já que ele não poderia estar presente), Fani?”, a Gabi perguntou achando graça.
“Estrelinhas?”, eu perguntei. “Esse filme tem o astro da minha vida no papel principal e você acha que eu vou classificar com simples estrelinhas? Esse filme merece a Lua, o Sol, a Via Láctea inteira!”
Com certeza, de agora em diante, aquele filme seria o número 1 da minha lista. Para sempre. ”

5.Querida Fani,

Nesse momento, você deve estar passando por cima de minha cabeça, nos ares. Eu devo estar olhando para cima e pensando: “Lá vai o meu amor”.”

6. “Hoje eu sei que nenhum filme é melhor do que a própria vida. Infelizmente, as cenas não podem ser filmadas para que eu possa revê-las, decorar as falas e copiar as melhores frases, mas o melhor DVD já inventado é a nossa memória, uma vez que podemos visitá-la sem precisar de nenhuma aparelhagem.
Sempre achei que os melhores filmes são aqueles que terminam e deixam no ar os futuros acontecimentos, para que possamos inventar por nós mesmos uma continua­ção. Minha vida é assim. Não sei como serão meus próximos capítulos, mas posso imaginá-los e tentar vivê-los o mais fielmente possível ao roteiro que eu mesma vou criar.
Nesta sala de embarque, eu não sei o que vai acontecer de agora em diante, apenas que – nesse momento – esse é o melhor final feliz que eu poderia escolher pra mim.”

~> Gostou? Você pode comprar o seu por aqui:

* Editora Gutenberg ;
* Livraria Cultura ;

Postagem interligada:
Fazendo Meu Filme 2

Beijos! Até o próximo livro com coração...

6 corações despertados:

Lariane disse...

cada vez mais me encanto por esse livro...

Cíntia Mara disse...

Adorei sua resenha!!! Comprei os 2 volumes, mas ainda estão na fila (com mais 36, rsrs).
Tb sou dessas que entra na história; rio, choro, brigo, xingo, fico com pena. Hehehe, é muito bom ler um livro q te envolve desse jeito.

Mesmo sem ter lido, já sei q vou gostar e q vou querer comprar o 3 também. Acho q não vou me cansar nunca de romances adolescentes (bem escritos). Principalmente se forem séries, pq eu amo!

Bjos

Fernanda disse...

Cara, como eu quero ler esse livro (e a continuação)! Mas eu decidi não comprar mais livro nenhum até diminuir um pouco a fila, rs... mas ainda vou ler! :)

Bjos!

Nanda disse...

Ei Camilla,
Este livro está na fila mas ainda não deu para comprar.
Estou doida para ler e comparando então com Meg que eu adoro aiai

bjo

Débora Lauton disse...

Ai estou doida pra comprar esse livro... mas a minha pilha está tão grande que preciso diminuir um pouco antes de comprar mais... humf...
Adorei a resenha...

beijos,
Dé...

Srta. Camilla disse...

Ah, meninas! Esse livro é muito fofo. Fazia tempo que uma história me encantava e viciava assim... Acho que pq é direta, simples, extremamente romântica e retoma uma fase tão gostosa da nossa vida... Bem que dizem que o primeiro amor a gente nunca esquece. Fiquei lembrando dele durante a leitura... Também era um amigo e depois passou a ser mais, porém a vida nos separou. Nem por isso deixou de ser belo e algo inesquecível.

Aiaiaiai... sou romântica ao extremo! ;)

Obrigada pelas visitas e comentários! Elas são importantíssimas para mim, viu?!
Amoooooooo!